A experiência de ouvir Avishai Cohen na Sala São Paulo

Ontem a noite na Sala São Paulo tive uma dessas raras experiências de transe, entorpecimento e transcendência ao assistir o concerto de Avishai Cohen. O contrabaixista se apresentou na série de concertos da Tucca com dois outros jovens instrumentistas de grande talento, o pianista Nitay Hershkovits e o baterista Amir Bresler. Ele foi aplaudido de pé e teve que voltar 3 vezes ao palco. Numa dessas fez sozinho a linda canção Alfonsina y el Mar do repertório de Mercedes Sosa. Mostrou mais uma vez a total cumplicidade com seu instrumento – um contrabaixo alemão com mais de cem anos – e o delicioso timbre de sua voz. Avishai já esteve no grupo de Chick Korea, tocou com Herbie Hancock, Bobby McFerrin e Paquito D’Rivera. É da turma do pianista Brad Mehldau e saberiamos disso mesmo que não constasse de seu currículo terem tocado juntos no começo dos anos 90. É um jeito de tocar, de se entregar ao sons, de mostrar erudição e virtuosismo com uma atitude contemporânea que derruba fronteiras musicais, que mistura sem preconceito o jazz com o canto ladino ou com os ritmos cubanos.
Saí da Sala São Paulo feliz. Minha respiração se altera com a boa música feita ao vivo, com o coração. E o contrabaixo acústico parece acentuar essa mágica. Foi como recitar mantras ou ouvir cânticos. Lembrei de uma canção do Djavan que começa com uma singela pergunta: “eu não sei se vem de Deus o céu ficar azul”. Eu não sei se vem do divino a capacidade de fazer música desse jeito, mas que foi de agradecer, isso foi.

Conheça a TUCCA – Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer, colabore e não perca mais nenhum concerto dessa série, é quase um pecado.
Veja aqui o site da instituição.

Pra dar um gostinho do que foi a noite com Avishai Cohen coloquei aqui uma gravação de Alfonsina Y El Mar, e abaixo a letra que é como um poema.

Alfonsina Y El Mar
Composição : Ariel Ramirez / Felix Luna

Por la blanda arena
Que lame el mar
Su pequeña huella
No vuelve más
Un sendero solo
De pena y silencio llegó
Hasta el agua profunda
Un sendero solo
De penas mudas llegó
Hasta la espuma.
Sabe Dios qué angustia
Te acompañó
Qué dolores viejos
Calló tu voz
Para recostarte
Arrullada en el canto
De las caracolas marinas
La canción que canta
En el fondo oscuro del mar
La caracola.
Te vas Alfonsina
Con tu soledad
¿Qué poemas nuevos
Fuíste a buscar?
Una voz antigüa
De viento y de sal
Te requiebra el alma
Y la está llevando
Y te vas hacia allá
Como en sueños
Dormida, Alfonsina
Vestida de mar.
Cinco sirenitas
Te llevarán
Por caminos de algas
Y de coral
Y fosforescentes
Caballos marinos harán
Una ronda a tu lado
Y los habitantes
Del agua van a jugar
Pronto a tu lado.
Bájame la lámpara
Un poco más
Déjame que duerma
Nodriza, en paz
Y si llama él
No le digas que estoy
Dile que Alfonsina no vuelve
Y si llama él
No le digas nunca que estoy
Di que me he ido.
Te vas Alfonsina
Con tu soledad
¿Qué poemas nuevos
Fueste a buscar?
Una voz antigua
De viento y de sal
Te requiebra el alma
Y la está llevando
Y te vas hacia allá
Como en sueños
Dormida, Alfonsina
Vestida de mar.

2 comentários sobre “A experiência de ouvir Avishai Cohen na Sala São Paulo

  1. Patrícia Palumbo, tudo bem?
    Fiquei fascinado pela música do Avishay Cohen e seu grupo.
    Afonsina e el mar – ficou linda nessa versão.
    Por acaso, você conhece a canção Maria del Carmen cantada pela Consuelo de Paula? Lembrei dela porque a canção é fantástica. Como um poema sobre uma poeta que também se foi.

    bjs

    um beijo
    Vine

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s