Mart’nália e Qinho no Festival Vozes do Brasil

QinhoMartnalia

Direto da primeira edição do Festival Vozes do Brasil no Rio de Janeiro, uma entrevista especial com Qinho e Mart’nália no aquário itinerante da Rádio Vozes no Teatro Oi Futuro.

 

 

 

 

 

 

Vozes do Brasil – bloco I (Marina Machado, Marina Lima, César Lacerda, Fernando Temporão, Mart’nália e Qinho no Festival Vozes do Brasil – parte I)

Vozes do Brasil – bloco II (Mart’nália e Qinho no Festival Vozes do Brasil – parte II, Alvinho Lancelotti, Bárbara Eugênia, Thiago Pethit)

 

Vai cantar o que?


Saiu hoje, sábado 26 de fevereiro, a minha coluna no Ouvido Absoluto do C2+Música do Estadão. Inspirada pela notícia do novo cd de Gal Costa escrevi sobre repertório. Caetano Veloso está compondo o disco inteiro pra ela. Ele já fez lindas canções para diversas musas cantoras. Entre elas, Angela Ro Ro com a magnifica “Escandalo”. Achei uma gravação antiga.

E pra Mart’nália tem a incrível “Pé do Meu Samba”. Aqui os dois juntos.

Falei também da escolha de repertório bem feita. Um bom exemplo é o cd “Eu Me Transformo em Outras” de Zélia Duncan. Veja o que é “Doce de Côco”

O link pra coluna na íntegra está aqui.

Cariocas são bacanas.

Nessa semana tem Mart’nália especial no Vozes do Brasil. Nos encontramos em São Paulo pra falar dos shows de lançamento do dvd/cd gravado na África. Logo depois escrevi um textinho pra uma revista gringa sobre o sorriso dela e o Rio de Janeiro. Bom, foi inspirador.
Confesso que o Rio não tem sido um dos meus destinos preferidos. Vou até lá pra trabalhar, é muito quente, não vou à praia… mas a cidade é maravilhosa e um lindo cenário.
Por isso coloco aqui a Clara Moreno passeando pela orla num clipe sensacional e Zélia Duncan com aquele lindo poema sobre o Redentor musicado por Beto Villares, um paulistano da gema.
E, claro, Mart’nália, nossa musa da semana, com uma parte da folia que ela fez na África.
Divirtam-se.

Clara Moreno

Zélia Duncan

Mart’nália

Africamente Mart’nália

A música que anuncia que o circo está na cidade e deixa a criançada animada, ou deixava em tempos mais românticos que os nossos, deveria ser adaptada pra chegada de Mart’nália onde quer que fosse. Ver essa mulher no palco nos enche de alegria sem preguiça, dá vontade de ser feliz só de ver aquele sorriso gigante. Até no andar ela tem ginga de sambista. Diz se isso não é uma delicia? Mart’nália é uma artista única. Não tem ninguem como ela. Faz música com prazer, no tempo que quer e isso se imprime no resultado. É brasileira pura.
Estivemos juntas essa semana pra falar do dvd Em Africa que ela vai mostrar aqui em São Paulo. Ela conhece Angola desde menina viajando em turnê com Martinho da Vila e moleca independente como é, desenvolveu sua própria relação com o país continente. Queria fazer uma viagem maior mas o trabalho acabou se concentrando e deu um samba muito bom. Aqui, no Rio de Janeiro, deu semba – com e mesmo – numa roda com Carlinhos Brown e Gilberto Gil na casa de Marcia Alvarez, nossa Tia Ciata do samba moderno.
Pra ver mais obre o dvd e levar pra casa acesse o site da Biscoito Fino.

Hoje tem show, não perco por nada! A entrevista pro Vozes tá guardadinha esperando a hora. Fizemos Rádio Natura Musical também e gravamos ótimas histórias sobre as famosas “Chega”, “Pretinhosidade” e outros sucessos. Só alegria.

O show é no HSBC Brasil.
Aqui vai aquela deliciosa música que Caetano Veloso fez pra ela, “Pé do Meu Samba”, uma linda tradução de Mart’nália que se mistura com o cenário carioca. Perfeito. Adoro!