Naná Vasconcelos e Sandra Nakaké, duas forças da natureza!

nana e nkake
Quem esteve ontem, domingo 15 de novembro, no Sesc Pinheiros, pode presenciar o encontros de duas forças da natureza: Naná Vasconcelos e Sandra Nkaké.
Naná é aquele doce que todo mundo conhece. Um gigante na sua arte, um percussionista de renome mundial, um inventor incomparável e a pessoa mais simples do mundo! Agradece emocionado toda vez que a platéia vem abaixo com sua performance.
Bom, esse personagem ícone da nossa música encontrou a cantora francesa Sandra Nakaké dentro da programaçao do Festival Station Brésil. Sandra é dos Camarões, criada na França. Há cerca de 3 anos resolveu se lançar profissionalmente e já é um fenômeno em seu país. Não por acaso. A mulher é de uma força impressionante. Sua voz é um instrumento sofisticado de timbre de veludo e que passeia por onde quer.

nana e nkake longe

Com Naná a identificação foi imediata. Eles fizeram várias músicas juntos, não houve troca de palco, a integração foi perfeita com a cantora e com a incrível banda que a acompanha. Reinou a felicidade naquele palco. Música feita com alegria e verdade.

Veja aqui Sandra e seus músicos num ensaio gravado. Uma delícia!

E pra saber mais sobre a cantora, acesse o blog:
http://sandrankake.blogspot.com/

Takai e Cherhal cantam Berimbau no Station Brésil

remy e euQuando entrei no palco, ao lado de Rémy, para apresentar essa noite do Station Brésil lembrei da ciranda e do mangue beat de Pernambuco. Somos antropofágicos por natureza. Por isso é muito bom assistir um encontro onde os artistas se entregam à proposta da mistura. A francesa Jeanne Cherhal tem sido minha preferida nessas noites de Station Brésil. Pros brasileiros a brincadeira já faz parte, é comum a integração e existe até, ouso dizer, uma facilidade em correr atrás da nota, aceitar um desafio.
No caso de Jeanne me impressionou a dedicação e a vontade de fazer direito com tão pouco tempo de ensaio. Com a Banda de Pífanos em João Pessoa ela já tinha arrasado e em Recife ela teve a sorte de encontrar Fernanda Takai que também leva a sério esse tipo de oportunidade. Elas fizeram juntas duas músicas. A primeira foi Berimbau, da leva Baden/Vinicius, bastante conhecida na França. A segunda, já no show de Jeanne, foi em francês, com Fernanda tirando de letra um repertório apresentado a ela naquele mesmo dia. Que orgulho!!
jeanne takai perto

Outro bom momento foi o encontro de Mariana Aydar com Spleen. Eles fizeram juntos uma música da francesa Camille, que já esteve algumas vezes no Brasil e tem fãs e parceiros por aqui. Duas energias bem diferentes no mesmo palco e deu certo! Spleen faz um som mais visceral, hip hop, funk, masculino. E Mariana é aquela doçura que a gente conhece.
Foi a primeira vez que ela se apresentou em Recife e o público a recebeu muito bem! Cantaram junto e alto todas as canções que ela fez: “Zé do Caroço”, “Deixa o Verão”, “Peixes”, foi lindo de ver! A banda foi montada com Duani nas percussões, bateria, cavaquinho e a luxuosa participação de Webster Santos e Paulinho Lepetit.
kavita e spleen
Fecharam a noite dois bardos: Zeca Baleiro e Louis Bertignac que acabaram fazendo Beatles no momento da jam. O público adorou.
Pra saber mais, ver as fotos oficiais e a cobertura em francês do meu colega Rémy, acesse o site:
http://www.stationbresil.com.br/

Eles tem o charme, nós temos o ritmo e a música aparece!

mestre de cerimoniasContinuo com o Station Bresil aqui no blog. Essa noite Recife recebe franceses e brasileiros para mais um grande encontro. Chico César, Naná Vasconcelos, Fernanda Takai, Mariana Aydar, Siba e Zeca Baleiro já estão por lá ensaiando, trocando, inventando.
Vamos ver o que a França deixa aqui e o que levam pra lá os músicos do festival depois desse banho de ritmo e diversidade.
Desde os tempos de Ernesto Nazareth a música francesa se mistura com o batuque negro das ruas do Brasil. Assis Valente brincou com sua Tem Francesa no Morro. Wilson Simonal apelidava o molho da sua música de champignon. Zélia Duncan fez em seu novo trabalho duas versões de Alex Beaupain. Atravessa as décadas essa parceria que se celebra agora em 2009, o ano da França no Brasil e eu tenho o prazer de participar como Mestre de Cerimônias desse Festival Station Bresil. Nessa quarta embarco pra Recife.

Aqui um pouco em imagens do primeiro encontro em João Pessoa.
jeane e os pífanosencantados

station bresil

Station Brésil começa em João Pessoa e eu vou pra lá!

8229_162657324421_635879421_2913621_7078098_sFui convidada por Matthieu Rougé e Paulinho Lepetit para apresentar os show do Festival Station Brésil que começam agora em João Pessoa.
Uma oportunidade incrível de interpenetrações musicais, como diz Arnaldo Antunes. Os artistas que vem da França são tão ecléticos quanto os nossos. Entre eles, Sandra Nkake, por exemplo, tem uma voz singular e divide como se sua garganta fosse um instrumento de percussão. Mathieu Boogaerts usa o corpo como parte de sua expressão musical. Louis Bertignac faz canções.
Entre os nossos tem Zélia Duncan, Fernanda Takai, Mariana Aydar, Arnaldo Antunes, Tom Zé e Edgard Scandurra, Isca de Policia, Cibelle, Chico César e Zeca Baleiro.
Saberei mais sobre eles e esses encontros durante os ensaios e shows. Depois conto tudo por aqui. Vamos “destribificar”!! – verbo que aprendi com André Abujamra, nosso maestro pensador.

Por enquanto conheçam Mathieu Boogaerts. Seu mais recente trabalho se chama “I Love You”.

E aqui, a programaçao do Station Brésil em João Pessoa e Recife. Depois publico Brasilia e São Paulo.

A programação do Station Brésil prevê encontros inusitados, como o de Mathieu Boogaerts com a Orquestra Sanhauá e o das cantoras Jeanne Cherhal e Fernanda Takai, no Recife, e a sintonia musical de Cibelle e Spleen, em João Pessoa. Na capital paraibana, o evento acontece domingo (01/11), no Ponto de Cem Réis, e no Recife, nos dias 03 e 04/11, na Torre Malakoff.

João Pessoa (PB) – 01/11 – A partir das 18h

Local: Ponto de Cem Réis (Praça Vidal de Negreiros – Centro)

Banda de Pífanos + Jeanne Cherhal Spleen + Cibelle< Bertignac + Zélia Duncan Mathieu Boogaerts + Orquestra Sanhauá Recife (PE) – 03/11 – A partir das 19h Local: Torre Malakoff (Recife Antigo)* Mathieu Boogaerts + Siba e a Fuloresta Thierry Stremler + Chico César Jam Session com Naná Vasconcelos

* As senhas para os shows serão distribuídas no local, às 17h Recife (PE) – 04/11 – A partir das 19h

Local: Torre Malakoff (Recife Antigo)

Mariana Aydar + Spleen

Jeanne Cherhal + Fernanda Takai

Bertignac + Zeca Baleiro

* As senhas para os shows serão distribuídas no local, às 17h.