Tom Zé no Festival Natura Musical – Ouça Aqui!

 

Entrevista com Tom Zé, durante o Festival Natura Musical em Belo Horizonte, falando de seu novo disco, o Tropicália Lixo Lógico, título que surgiu de suas teorias sobre a formação da Tropicália.

 

 

Vozes do Brasil – bloco I (Beto Villares, Anelis Assumpção, Apollo 9, Alice Não Dorme, Gal Costa, Thiago Pethit, Céu)

Tom Zé no Natura Musical 

Marcia Castro no Vozes em Casa – Ouça Aqui

Mais um programa pra ouvir com prazer. Márcia Castro veio fazer o Vozes em Casa e fizemos quase um faixa a faixa do seu novo cd “De Pés no Chão”.
Aproveito pra copiar aqui um texto que escrevi sobre essa artista que eu tanto admiro.
Aperte o play pra ouvir o programa e leia o texto “Coração Selvagem” logo abaixo.

VOZES EM CASA COM MARCIA CASTRO BL.01

VOZES EM CASA MARCIA CASTRO BL.02

O Coração Selvagem de Márcia Castro

Foi naquele pequeno e histórico porão que era o teatro Crowne Plaza que vi Márcia Castro pela primeira vez. A jovem cantora baiana fez uma temporada e virou cult na cidade de São Paulo. Demorei pra ir mas no momento em que ela entrou, como todos os outros, fiquei absolutamente surpresa, enfeitiçada e comovida com sua presença no palco.

Uma moça diferente, uma garota moderna, contemporânea, sem nenhum traço do convencional, do esperado e conhecido tempero da música de sua terra mas com aquela marca da verdadeira baiana de Geraldo Pereira, a que entra na roda e sabe deixar a mocidade louca. Ela tem qualquer coisa daquela Gal Costa anos 70 que gravava Wally Salomão e Jards Macalé e que foi a musa de um exilio jovem e contracultural.
Marcia Castro tem esse lugar um pouco pela escolha do repertório e mais na atitude que revela liberdade. Tem aquela voz que você quer ouvir cantando as suas preferidas e algumas das minhas ela já cantou. No Crowne ouvi Lágrimas Negras, de Mautner e Jacobina, com Tom Zé ela cantou O Filho do Pato no Estudando a Bossa, do repertório das canções de Marina Lima fez Meu Doce Amor, de Itamar cantou a sensualissima Beijo na Boca com acento rock’n roll, trouxe pros nossos ouvidos carentes o melhor do bardo esquecido Belchior, e ao mesmo tempo visita seus contemporaneos como Luciano Salvador Bahia de quem gravou a excelente Queda.
Inventou a Pipoca Moderna, uma reunião de cantoras que se frequentam, se admiram artisticamente e tem em comum o que ela chama de matriz negra, uma sonoridade afro/baiana/brasileira/contemporânea. Nessa organização de conteúdo se revela uma artista que pensa, que tem estofo para a reflexão sobre seu oficio.
Ao mesmo tempo é um animal em cena. É o próprio Coração Selvagem de Belchior, o anjo rebelde, o arco iris, a que esconde um beijo embaixo do blusão.

O que ela apresenta nos palcos não cabe nos discos. Por isso não se pode conhecer Marcia Castro só nos cds. É pouco.
Há que se ouvir seu repertorio de outsiders numa noite fria do Festival de Arte da Serrinha ou num palco de praia em Salvador pulando Doces Bárbaros.
Marcia chega ao segundo disco trazendo na sua música a já tradicional mistura dos Novos Baianos com as bençãos do pop contemporâneo, indo mais longe. Nós, na massa, vamos logo atrás.

No portal Natura Musical tem Preta Pretinha pra download. :))
E aqui na Livraria Cultura um link pr comprar o cd “De Pés no Chão

Tom Zé e O Pirulito da Ciência

Todo mundo que me conhece sabe o quanto eu admiro Tom Zé e como gosto dele. Já somos até parceiros de trabalho. Fiz a seleção das vozes femininas do Estudando o Samba e ele, muito gentilmente, escreveu o prefácio do meu primeiro livro. Um texto tão lindo que me deixa até encabulada de tão feliz.
Já faz algum tempo que Tom Zé tem recebido o destaque que merece depois do doloroso e burro ostracismo em que se viu depois do naufrágio do Tropicalismo. Claro que não toca no radio como a gente gostaria, mas o que é que toca no rádio, afinal? Aqui, no mundo de verdade, tocamos e ouvimos Tom Zé.
Esse novo trabalho com a Biscoito Fino ganhou um nome divertido, “O Pirulito da Ciência” e é um apanhado de sua obra e carreira. Foi gravado no Teatro Fecap em cd e dvd com produção e direção de Charles Gavin. Imagino o que deve ter sido isso, dirigir Tom Zé…
Escolher o repertório foi um tormento. Imagine, o trabalho de uma vida, invenções geniais em lista pra resumir! Bom, aí estão “Nave Maria”, “Jimi Renda-se”, “Ogodô”, “Augusta, Angélica e Consolação” e entre outras raridades a incrível “Tô” que é do histórico “Estudando o Samba”. Lembram: “…tô te confundindo pra te esclarecer…”? Pois é. E ainda tem alguma coisa do recente Estudando a Bossa, entre elas a “Sincope Jaobim” que no cd original teve a participação de Andreia Dias. Aqui podemos ver um trecho dessa canção no show O Pirulito da Ciência:

Tom Zé sempre diz que toda essa cena que ele faz no palco é pra tirar a atenção da sua voz, já que ele não canta nada! Cantor ou não, ele dá o recado com grande eficiência, isso ninguém pode negar. Ele pensa cada detalhe do figurino e dos objetos de cena, tudo tem um sentido, cada peça e cada ação em cena quer dizer alguma coisa. Nada é gratuito. Laura Andreato assina também os cenários nesse espetáculo, além dos figurinos, e fez um lindo trabalho. Da minha experiência com ele posso dizer que o melhor que se pode fazer é facilitar o trânsito entre suas idéias e a concretização. Estamos a serviço dele e de sua cabeça genial e hiperativa. Como cabe coisa naquele homem tão miúdo é coisa pra Deus responder. Tom Zé é de uma vitalidade invejável.
O Pirulito da Ciência é uma oportunidade pra ter em casa um pouco da história desse querido amigo, desse genial compositor brasileiro, um dos pilares da nossa estética contemporânea. É um dvd, portanto, imperdível.

Estivemos juntos, Tom Zé e eu, no estúdio que ele acabou de montar em casa e falamos sobre o cd e dvd. Foi delicioso como sempre. Primeiro ele colocou os óculos pra me ouvir melhor e me divertiu o tempo todo falando sério daquele jeito que só ele sabe falar. A entrevista vai pro ar essa semana no Vozes do Brasil. Veja acima na página Vozes do Brasil no Rádio os horários e as emissoras.

Tom Zé na Biscoito – Nosso astronauta libertário em retrospectiva

Uma excelente parceria se firma entre Tom Zé e a Biscoito Fino. Depois do cd “Estudando a Bossa” vem aí cd e dvd num pacote de retrospectiva de carreira. Já não era sem tempo. Um gênio inventor. Um compositor referência e absolutamente original. O tropicalismo em pessoa. E uma grande história pra contar.
O trabalho foi capitaneado por Charles Gavin, o baterista responsávelpelo resgate de muita coisa boa nos arquivos e acervos da nossa música. Foram noites de shows no teatro da Fecap em São Paulo e mais depoimentos e bastidores. Mal vejo a hora de assistir tudo.
Por enquanto está disponível esse pedacinho do dvd “Pirulito da Ciência”. Senta, que lá vem história…

Eu já fiz com Tom Zé a entrevista sobre o “Pirulito da Ciência”. Só estou esperando chegar o pacote pra montar o Vozes do Brasil e fazer um barulhão. Mas desde já recomendo visitas periódicas ao blog do Tom Zé. Cada vez que a gente se encontra eu aprendo alguma coisa, saio com recomendações de leituras ou de novas dietas, e já que ele também joga as idéias na tela, todo mundo pode aproveitar.
Blog do Tom Zé – UOL Blog.

Com Sergio Sampaio, Tom Zé e Ligiana botam o Bloco na Rua!!

Na série Carnaval hoje vamos botar pra gemer!! Acabei de receber por email da cantora Ligiana esse clip da sensacional, icônica e emblemática marcha de Sérgio Sampaio “Eu Quero É Botar Meu Bloco Na Rua”. Grande elenco nessa gravação, a ficha técnica está logo aqui depois da letra. É pra ver e cantar junto.
Obrigada Ligiana!!

Eu quero é botar meu bloco na rua
(Sergio Sampaio)
Há quem diga que eu dormi de touca
Que eu perdi a boca, que eu fugi da briga
Que eu caí do galho e que não vi saída
Que eu morri de medo quando o pau quebrou

Há quem diga que eu não sei de nada
Que eu não sou de nada e não peço desculpas
Que eu não tenho culpa, mas que eu dei bobeira
E que Durango Kid quase me pegou

Eu, por mim, queria isso e aquilo
Um quilo mais daquilo, um grilo menos disso
É disso que eu preciso ou não é nada disso
Eu quero é todo mundo nesse carnaval

Eu quero é botar meu bloco na rua
Brincar, botar pra gemer
Eu quero é botar meu bloco na rua
Gingar, pra dar e vender

Participação : Tom Zé
Serrote : Fernando Alves Pinto
Metais : Marcelo Monteiro
Violão 7 cordas : Emiliano Castro
Bateria : Simone Sou
Palmas : Alfredo Bello, Fernando Alves Pinto, Fernando Cavaco e Ligiana.

Tom Zé, Francis Hime e Dominguinhos. Uma boa semana de trabalho.

Pro começo do ano que vem Tom Zé está preparando o lançamento do dvd que é uma retrospectiva de sua carreira. Sai pela Biscoito Fino e teve direção de Charles Gavin. Não foi nada fácil escolher 24 músicas de um repertório como o dele, mas vai ser sensacional ter tudo nisso num volume só. Quando digo “tudo isso” me refiro à diversiade e originalidade do trabalho dele. E não me canso de repetir que cada vez que encontro Tom Zé volto mais rica. Saio sempre cheia de informações e me divirto muito. Demos muita risada hoje a tarde falando da história de algumas de suas canções e dos processos de gravação desse dvd. Logo o resultado vai pro ar no Vozes do Brasil.

Na semana passada assisti na Sala São Paulo o Concerto para Violão e Orquestra de Francis Hime. Ele escreveu originalmente para o grande Rafael Rabello mas com sua morte prematura a peça ficou inédita até agora. Fábio Zanon foi o violonista escolhido para a estréia com a Osesp. Foi lindo. Um concerto de três movimentos com várias passagens em que se pode identificar claramente a personalidade musical de Francis Hime. Conversei com ele sobre isso e também à respeito de seu novo disco, duplo, com parceiros novos como Moska e Joyce e as gravações de piano solo. Foi uma delícia. Na mesma tarde, numa casa muito agradável e colorida, tamb’m encontrei Olivia Hime e passamos um tempinho jogando boa conversa fora.
Nem tudo vai pro Vozes do Brasil…

Dominguinhos está apresentando no teatro da Fecap nesse final de semana um show delicioso. Uma sucessão de músicas que todo mundo conhece e canta junto. Eu mesma, sabendo que ia me encontrar com ele passei o dia cantarolando “Tenho Sede”, uma linda parceria com Anastácia. com quem fez também o clássicos “Eu Só Quero um Xodó”. Mais um programão do Vozes do Brasil, breve no ar.

Semaninha boa, não?

Tom Zé Astronauta Libertado

images-2O diretor Ígor Iglesias Gonzalez esteve pelo Brasil andando atrás de Tom Zé com uma câmera na mão. Até no lançamento do segundo volume do livro Vozes do Brasil ele apareceu. Foi lá no Mis e registrou a participação de Tom Zé fazendo duas músicas pra prestigiar o livro no qual ele é um dos entrevistados.
O filme está concorrendo ao preferido do público na Mostra de Cinema de São Paulo.
Tem que ver!!

Sinopse
A partir de uma Oficina de Experimentação Musical ministrada pelo músico Tom Zé em Astúrias, na Espanha, o filme faz uma retrospectiva de seus achados musicais e de sua contínua experimentação musical desenvolvida desde os anos 1970. Por meio de arquivos históricos e mostrando sua passagem por diferentes palcos do Brasil e da Europa e pelo estúdio de gravação, o filme lança luz sobre a original metodologia de criação do artista.

* Ficha Técnica:
* Título inglês: TOM ZÉ LIBERATED ASTRONAUT
* Diretor: Ígor Iglesias González
* Elenco: Tom Zé, Neusa S. Martins, Rita Lee, Julio Medaglia, José Miguel Wisnik
* Ano de produção: 2009
* País: Espanha
* Duração: 90 min.